14
jun

Gestão caórdica: o que é e por quê implementá-la em uma empresa?

Trabalhar com gestão de organizações é uma busca constante por mais eficácia e participação, independente do tamanho ou setor da empresa. Um dos caminhos para alcançar um ambiente corporativo engajado e com melhor desempenho é o modelo organizacional caórdico. Já ouviu falar nele?

O conceito pode parecer confuso, mas a gestão caórdica é mais familiar do que você imagina. Com a proposta de gerir uma organização a partir da combinação entre caos e ordem, o modelo se inspirou na natureza, onde tudo funciona em harmonia apesar da ausência de regras e hierarquia.
O criador do termo foi Dee Hock, fundador e ex-CEO da Visa, empresa sobre a qual ele escreveu: “nenhum modelo de organização tradicional, ditado de cima para baixo, poderia ter funcionado”.
Para entender melhor o modelo e como ele pode beneficiar empresas e organizações, conversamos com Fabiana Maia, facilitadora com anos de experiência e fundadora do Espaço Terra Luminous.

Confira abaixo:

Reveja o conceito de “caos”

Parece estranho sugerir que se deixe espaço para o caos em uma empresa. Mas a visão da abordagem caórdica é a de que o caos é o espaço em que o espontâneo e o imprevisível acontecem, ideal para o surgimento de novidades. Fabiana explica que “no movimento da gestão caórdica, ora dançamos em direção à ordem, ora em direção ao caos. Quando estamos ficando engessados, flexibilizamos mais as regras, vivemos mais as experiências e navegamos mais nas tensões, até o momento em que corremos o risco de nos perder por falta de contorno, daí criamos alguns procedimentos.”

 

Esteja disposto a abrir mão do poder

“Nada começa sem que a liderança esteja disposta de corpo e alma”, argumenta Fabiana. A especialista explica que a parte mais dolorosa do processo  é entender a necessidade de abdicar do controle, da centralização do poder e da tomada de decisões unilaterais. Segundo Fabiana, implementar o modelo caórdico “é uma mudança de paradigma, não uma simples mudança organizacional. Mudamos o organograma da organização de piramidal para circular, uma forma de governança dinâmica”.

 

Incentive a participação

Um dos maiores problemas em qualquer organização é a alienação causada pela hierarquia. Segundo Fabiana, “as gestões baseadas em comando e controle acabam gerando baixíssimo engajamento de quem está na base da estrutura piramidal”. A especialista argumenta que é fundamental incentivar a participação da equipe, pedir opiniões e ativar a inteligência coletiva, já que o engajamento possibilita aumento significativo no desempenho dos funcionários. “Quem está na base recebe orientações, mas não entende o por quê, não sabe como a decisão foi tomada, não se sente incluído”, explica.

 

Deixe espaço para diálogo e criatividade

Criar um ambiente aberto a conversas, em que os funcionários não se sentem intimidados para opinar e são valorizados por suas sugestões, propicia um cenário frutífero para a criatividade. Ao incentivar o diálogo, o modelo caórdico possibilita a existência de uma gestão integrada, em que todas as pessoas contribuem com suas habilidades e competências. Neste espaço conversacional, também se torna mais fácil identificar as necessidades e expectativas das partes envolvidas na organização.

 

 

Achou os princípios da organização caórdica interessantes? Segundo Fabiana, “o modelo caórdico pode funcionar em qualquer organização, só depende de um grupo de pessoas que estejam alinhadas ao propósito”. Se você já teve alguma experiência com a área ou pretende implementar esta forma de gestão em sua empresa, compartilhe conosco!